quarta-feira, 16 de julho de 2014

Janela da Imaginação



Somente agora posso contemplar o entardecer e minha mente começa a criar imagens. Fecho os olhos e me vejo em um barco pequeno flutuando em águas cristalinas. Minha visão é contemplada com uma paisagem de tirar o folego.

Eu pergunto se estou viva, pois nunca estive em um lugar assim, ao longe vejo uma ilha e lentamente faço o barco seguir até ela. Noto que estou sozinha, posso ouvir o canto de aves, sentir o toque do vento em minha face. Quando me aproximo da ilha sinto o aroma de flores e fico confusa para distinguir quais são, mas tudo ali me confunde e me deixa com os  sentidos em alerta.

Deixo o barco num ponto atracado e caminho pela areia em direção as árvores.

- Olá! Olá! Alguém aqui?

Nada, nem uma resposta e continuo a caminhar. Água, um barulho forte me chama atenção, preciso encontrar água para beber. Vejo um rio e uma linda cascata que parece nuvens caindo do céu. Bebo do rio e procuro um lugar para descansar. Estou confusa e penso esta sonhando, mas meus sentidos estão alerta e meu coração bate com mais intensidade.

Tento mais o sono me vence e um estalar de galho me faz ficar de pé, procuro ver na imensa escuridão e então percebo olhos a me observar.

                                                                                                                            
Fico paralisada, não consigo mover um músculo do corpo, é o medo me dominando e me deixando sem defesa alguma. Preciso me mover, quero gritar mais a voz não sai. O que fazer?

Percebo que tenho somente minha força interior e que só depende de mim para mudar a situação. Uso a mente para gritar, peço ajuda e digo a mim mesma “você consegue” “tudo posso”. Sinto batidas em mim, como asas ao vento a se debaterem sobre mim, quero acordar, preciso abrir os olhos e ver a realidade. Então, da mesma forma que fiz essa viagem sou levada de volta a minha janela. A paisagem é a mesma, mas elas estão ao meu redor, lindas borboletas em cores variadas.


Será que tudo foi minha imaginação? Será que nossa mente é uma máquina do tempo? Muitas perguntas em minha mente, mas quero apenas voltar a contemplar esse fim de dia maravilhoso. E quem sabe as borboletas são as minhas salvadoras! Quem sabe que viagem farei no próximo dia ao contemplar novamente a paisagem através de uma janela.


Maria Mendes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar, assim que aceitar seu comentário ele aparecerá no blog.